sábado, 27 de abril de 2013

Fantasia Fashionista

Os mais inacreditáveis looks de todos os tempos já feitos por estilistas visionários, tanto no prêt-à-porter quanto na alta-costura, que ultrapassam as fronteiras da imaginação e nos transportam para outro mundo num piscar de olhos.





Vestido de papel Therry Mugler - Primavera de 1991.

 Vestido com controle remoto Hussein Chalayan, meia- calça Kenzo, sapatos Sergio Rossi.


Vestido sanfona (á esquerda) Issey Miyake Primavera de 1994, Vestido fetiche Gareth Pugh Primavera de 2006.

Vestido (á esquerda) Hussein Chalayan Primavera de 2000 e sapatos Christian Laboutin, Vestido (á direita) Victor&Rolf Primavera de 2006 e sapatos Alexander Wang.


Vestido Gareth Pugh Outono de 2006 e legging Norma Kamali.


Galliano, Primavera de 2006.


Alexander Mcqueen (á esquerda) Primavera de 2005, Vestido Mesa Hussein Chalayan Outono de 2000.


Rei Kawacubo Outono de 2006 (á esquerda), Victor&Rolf Outono de 2003 (á direita).

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Curiosidades para os que gostam de cerveja.

1- Como fazer cerveja em casa?

Pra quê ir até o bar mais próximo? Com 4 simples ingredientes - água, malte, lúpulo e fermento - e 8 passos (um pouco menos simples), é possível fazer a loira gelada no conforto do seu lar. Aprenda aqui e fique salvo do bafômetro.

Utensílios necessários:
  • um fogão de 4 bocas
  • duas panelas de 32 litros com torneira
  • um moinho para cereais
  • termômetro
  • balança
  • uma forma de pizza furada para o fundo falso
  • dois baldes de PVC com torneira e tampa
  • uma válvula airlock
  • mangueira para encher as garrafas
  • máquina para colocar tampa em garrafas












2 - O que faz um cervejeiro? 


Um brinde: é ele quem cria, depois, trata de manter a qualidade da cerveja.
Quando uma cerveja decide lançar um novo sabor, passa ao mestre algumas indicações, e cabe a ele combinar o lúpulo, malte, água e as leveduras. Chegando à receita final: o trabalho continua, ele é responsável por garantir que a cerveja sempre saia da fábrica com o mesmo gosto , cor, aroma, etc. Uma fábrica pode ter dezenas de mestres alocados a várias partes da produção. Para se tornar um, a opção no Brasil é um curso do SENAI de Vassouras - RJ, mas a melhor opção é um curso profissionalizante de dois anos na Alemanha.



3 - Mapa da cerveja



Brasileiro cria tecido antibacteriano.



      É um tecido feito para impedir a proliferação de bactérias, tornar mais confiável o ambiente hospitalar e ainda ajudar a natureza. A roupa criada com o objetivo de proteger a saúde — pensada especialmente para uniformes de médicos e enfermeiros, além de roupas de cama de hospitais — é obra do brasileiro Lucas Bernardes Naves, 25 anos, formado em design de moda pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) e mestre em design têxtil pela Universidade de Beira Interior, em Covilhã, Portugal. Vivendo atualmente entre Portugal, Espanha e Holanda e envolvido em projetos na área de tecidos inteligentes, o designer explica que o objetivo de seu trabalho é oferecer um substituto para a tradicional fibra de algodão, mais suscetível ao ataque de fungos e bactérias, e, assim, diminuir casos de contaminação em hospitais. O resultado da pesquisa, diz, trará mais bem-estar e segurança para os pacientes.






A malha foi criada a partir do chitosa, um agente antimicobiano encontrado no exoesqueleto de crustáceos. O  produto, 100% natural e renovável, é aplicado sobre a fibra de  cânhamo, já usada na confecção de vestimentas. Foram investigados outros agentes, mas nenhum mostrou-se mais  eficiente. "(Com o chitosan), tivemos uma atividade antimicrobiana de 99,98%. E ele se mostrou muito eficiente  contra a bactéria Staphylococcus aureus, uma das mais encontradas nos hospitais e que pode causar muitas doenças", acrescenta Naves.





domingo, 21 de abril de 2013

Cartela de cores para ajudar o público masculino.

Mulher sempre tem por hábito estar por dentro não só das tendências do mundo da Moda mas do seu vocabulário também.          Mesmo que não tão "in" mas sempre sabe um pouco.
Em alguns caso isso pode ser de alta periculosidade para a classe masculina. Homens ficam perdidos e em alguns casos apavorados, quando ouvem a namorada, irmã, mãe, amiga, vizinha ... e afins dizerem "Coloca aquela sua camisa rosê com aquela calça cor de noz que vai ficar lindo!" Coitado de você moço-do-céu!!!
Por isso eu, que sou uma fofura, escaneei esta pequena cartela de cores (as cores deram uma distorcida por causa da luz do scaner) pra vocês terem uma ideia de que raios essa mulherada está falando. 
Da próxima vez que você homem, ouvir algo deste tipo, pelo menos, não vai ficar tão perdido! =)


sábado, 20 de abril de 2013

Etiquetas e cuidados com as roupas.




     Todo mundo aí já teve se perguntou pra quê ser a etiqueta de uma roupa e se respondeu que esta só serve para incomoda ou coisa do tipo.
       Mas não é bem assim. As etiquetas nas roupas soa obrigatórias por lei e existem órgãos responsáveis para assegurar de que o consumidor está comprando um produto que esteja com todas as especificações sobre o mesmo descritas na etiqueta e de que estas especificações não faltem com a verdade.
       O Código de Defesa do Consumidor determina que todos os produtos devem ser comercializados apresentando informações corretas sobre quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresente. Isso inclui os produtos têxteis.
       A etiqueta que acompanha o produto têxtil deve ser afixada de maneira a não se desprender da peça e deve trazer uma indicação do tamanho da peça, nome do fabricante ou importador, CNPJ, país de origem, composição e cuidados necessários para a conservação, que podem ser expressos por símbolos ou texto. A simbologia utilizada para descrever a forma de lavar, passar e secar produtos têxteis ainda é pouco conhecida por grande parte dos consumidores.
       Entretanto a etiqueta de uma peça de roupa, como sabemos, costuma ser pequena e suas especificações são colocadas em códigos, como vemos nas instruções de lavagem.
    A seguir você verá o que significa cada símbolo e como lavar e conservar sua roupa de maneira correta. Não se esqueça essas simbologias devem ser seguidas para a melhor utilização e conservação de cada peça.
Os símbolos estão organizados na seguinte sequência:
Como lavar
Como alvejar
Como secar (uso de tambor)
Como secar naturalmente
Como passar

Dicas de cuidados para melhor conservação de suas roupas:

• Deixar as roupas de molho ajuda na remoção de manchas e na limpeza de roupas brancas.
O tempo ideal é de uma hora, mais do que isso, pode danificar o tecido;
• Roupas brancas podem ser ocasionalmente lavadas com água quente para manter o brilho;
• Água sanitária nunca deve ser utilizada em roupas coloridas;
• Tome sempre muito cuidado com as roupas compostas por dois tipos de tecidos, como os vestidos com forros. Pode ser que o tratamento adequado para o forro seja diferente do tratamento que o tecido de fora exige (na etiqueta deve conter a informação de ambos)
• Evite secar roupas claras sob o sol, porque resíduos de sabão podem provocar manchas, caso não tenham sido bem enxaguadas. É recomendável que as roupas coloridas e as de lã sejam secas à sombra;
• roupas escuras devem ser preferencialmente passadas pelo avesso;
• tente remover manchas das roupas antes de passá-las a ferro, porque o calor ajuda a fixar as manchas;
• as roupas brancas ou em cores claras devem ser lavadas separadamente das coloridas, para evitar que os corantes as manchem;
• procure separar as roupas de acordo com o tipo ou quantidade de sujeira;
• roupas que soltam muitos fiapos ou roupas muito pequenas devem ser lavadas em separado ou dentro de sacos de tecidos apropriados.

Outras dicas importantes:

• Leia atentamente a embalagem de sabões (em pedra ou em pó), alvejantes, amaciantes e outros produtos de lavagem. Nestas embalagens você deve encontrar indicações de como utilizar corretamente estes produtos evitando danificar suas roupas.
• Para economizar energia, procure utilizar a máquina de lavar na sua capacidade máxima e também acumular grande quantidade de roupas para o ferro de passar.
As etiquetas devem indicar os cuidados para a conservação do produto, através de texto ou símbolo, respeitando a seguinte ordem:

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Croquis e usos de materiais.


Nanquim e bico de pena.




Caneta ponta porosa 0.5 mm e agada de nanquim



Caneta esferográfica




Pintura no Photoshop.




Lápis 6B

Lápis 0,7 mm (escurecido no photoshop)

Lápis 0,7 mm (escurecido no photoshop)


 Aguada de nanquin

Caneta esferográfica



Lápis 4B (escurecido no Photoshop)




Lápis 4B (escurecido no Photoshop)




Caneta esferográfica

Aula de Photoshop do 1º ano da faculdade.






Dicas para distinguir o direito e o avesso do tecido.



       
          Com estas dicas pretende-se que quem diariamente trabalha com tecido saiba distinguir qual o "direito e avesso" do mesmo, de forma a evitar o erro, muito comum, de fazer do avesso o direito do tecido e vice versa. Em muitas confecções acontece utilizarem, por desconhecimento, o tecido de forma errada.
Antes de se começar a desfiar uma  amostra devemos determinar qual o  "direito" e o "avesso" da mesma, para sabermos qual o sentido do urdido e da trama, só quando tivermos a certeza disto é que podemos começar a desfiar a amostra ou a trabalhar o tecido.
Para isso devemos seguir os passos abaixo indicados e são os seguintes:

a)-O direito é, quase sempre, o lado do tecido que apresenta o aspecto com o acabamento mais cuidado.

b)- No direito, quando o tecido é uma sarja ou uma diagonal, os cordões correm da esquerda para a direita e de baixo para cima.
   
c)- Caso o tecido tenha pêlo este apresenta-se, quase sempre, tombado no direito e a correr de cima para baixo.
 Há tecidos que tem pêlo no avesso, para os tornar mais macíos e quentes, mas o pêlo,nestes   casos, é curto e irregular.
 
d)- Analisar os fios do tecido e verificar as características de cada um e assim considerar o seguinte:

  • Que o fio da teia  é mais resistente que o da trama;tem 2 ou mais cabos;tem mais torção.

  • Que o fio da trama  é menos resistente que o da teia; às vezes só tem 1 cabo e quando isto se verifica é, quase sempre, um fio com torção "Z".
e)- A densidade do fio é geralmente maior que a  densidade da trama.

f)- Se o tecido for mono-elástico o fio da trama é, duma forma geral,  com  elastano.

g)- Se o tecido tiver riscas estas são, quase sempre ào fio. São raríssimos os casos em contrário.

h)- Se o tecido for em xadrez este é sempre mais longo no sentido do fio ou seja ao alto.

i)- Muitas vezes, há transparência, podemos ver as pequenas raleiras do pente e, sendo assim, elas definem claramente a direção do tecido.
   
j)- Se o tecido for feito com fios de contraste claro escuro o fio é, quase sempre, mais claro que a trama.
 
Espero, com estas dicas, contribuir para o esclarecimento das dúvidas que este tema sempre origina e assim evitar possíveis problemas ao manusear um tecido.

sábado, 13 de abril de 2013

Cueca vendida por site francês é eleita "pior roupa íntima" por jornal



    


        O Inderwear, um site de roupas masculinas francês, oferece aos seus clientes a String Latéral Flash Bleu Alter, uma cueca azul que se segura ao corpo por apenas uma tira lateral. 
    O site do jornal Huffington Post elegeu a peculiar peça como "a pior roupa íntima masculina de todos os tempos". A cueca é descrita pelo site como "original e ultra-sexy" e custa £ 22, cerca de 66 reais. 
   O importante, neste caso é, se o ítem terá boa aceitação do público masculino, visto que o mesmo zela pelo conforto principalmente ao que se refere a roupa íntima. 
     Vamos esperar! 

quarta-feira, 10 de abril de 2013

O valor da tolerância


               
     

      Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar. E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho muito duro. Naquela noite, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas bastante queimadas, defronte ao meu pai.
     Eu me lembro de   ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai   fez foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia na escola.
     Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geleia e engolindo cada bocado.
     Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada.


     E eu nunca esquecerei o que ele disse: "Adorei a torrada queimada..."
      Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada. Ele me envolveu em seus braços e me disse: "Companheiro, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada... Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém.  A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou o melhor marido, empregado, ou 
cozinheiro, talvez nem o melhor pai, mesmo que tente todos os dias! O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros. Desde que eu e sua mãe nos unimos, aprendemos, os dois, a suprir as falhas do outro. Eu sei cozinhar muito pouco, mas aprendi a 
deixar uma panela de alumínio brilhando.  


     Ela não sabe usar a furadeira, mas após minhas reformas, ela faz tudo ficar cheiroso, de tão limpo.  Eu não sei fazer uma lasanha como ela, mas ela não sabe assar uma carne como eu.  Eu nunca soube fazer você dormir, mas comigo você tomava banho rápido, sem reclamar.  A soma de nós dois monta o mundo que você recebeu e que te apóia, eu e ela nos completamos. Nossa família deve aproveitar este nosso universo enquanto temos os dois presentes."

   De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos, colegas e com amigos.

     Então filho, se esforce para ser sempre tolerante, principalmente com quem dedica o precioso tempo da vida, a você e ao próximo.




sexta-feira, 5 de abril de 2013

O ócio digno - um dos textos mais brilhantes que já li na vida.


O Ócio Digno.

                 Ciro Marcondes já citou várias vezes em seus livros que vivemos “a Sociedade Pós-Moderna do Prazer”. Não há mais o “projeto pessoal do trabalho”, apenas uma absorção contínua do que podemos viver e consumir. Curiosamente, nunca estivemos tão entregues às imposições do trabalho, particularmente depois que os telefones celulares, computadores e ‘escritórios-digitais-em-casa’ acabaram com o cartão de ponto. Estamos vivendo um aparente paradoxo da admiração pelo ócio e sua doentia conversão em trabalho. O primeiro, cada vez mais valorizado nos cantores de pagode da T.V., e nos “craques” do futebol, mas condenado no “mundo real”, quando convertido em mais trabalho, realimenta um ciclo que nos escraviza.
            Estamos num tempo de transição quanto aos valores que se tem sobre o trabalho. A nossa cigarrinha do trecho 1 pode agora receber os mais fervorosos aplausos das formigas na “TV-formigueiro”. É um “ócio digno”. A igreja não oferece mais dogmas tão fortes sobre o “sofrimento do trabalho que dignifica” (embora religiões protestantes nos países norte-americanos ainda exerçam grande influência na relação do cidadão com seu trabalho). Aprimoramos a técnica. Produzimos tempo livre. Produzimos “ócio digno”! Poderíamos ter a tão prometida liberdade que a técnica traria (embora Marx tenha sido cético quanto a isso), e agirmos como verdadeiros “pós-modernos”. Poderíamos ser os Eloys de H.G. Wells! Mas não é o que fazemos. Convertemos nosso “ócio digno” em trabalho, “com apenas alguns cliques”. E o pouco que sobra dele é convertido em aplausos aos que “têm mais ócio”. E quando somos nós os “conversores”, agimos com tanta ambição, libertos pela inexistência de “lucro máximo permitido pela sociedade”, que convertemos o ócio dos outros em mais trabalho – portanto mais lucro – usando institucionalizadamente o mito de que o “ócio é ruim”.
         Somos escravos dessa incapacidade de enxergar nosso “lucro de tempo”, fruto da técnica aprimorada, como outra coisa que não “potencial lucro monetário”. Mas como todo escravo tem um feitor, quem é o nosso? Parece existir um “moto-contínuo” que realimenta esse paradoxo: aquele que transforma o “ócio convertido em dinheiro” em placebos para nossas ansiedades pós-modernas de prazer – os produtos de consumo. Eles nascem dessa conversão do “ócio digno” em mais lucro, mais trabalho, e nos alimenta de prazeres materiais. E intensifica também a cobiça, a atitude doentia capitalista, chegando aos extremos de exploração do trabalho infantil e regimes de trabalho semi-escravocratas.

Mas qual seria a solução? O mundo estabelecer o conceito de “lucro máximo”? Juntamente com a técnica, isso nos forçaria a trabalhar menos, e o “ócio resultante” seria visto finalmente com bons olhos. Mas aí estaríamos falando de uma economia planificada, e tangenciando o lado dialético da questão, mostrando que dentro desse paradigma mora o próprio gérmen de sua destruição.
               Nesse instante eu acabo de receber o atestado de trabalho que solicitei à fiscal no início da prova. É curioso pensar como todo ócio precisa ser justificado, ainda que esse ócio seja causado pelo estudo. Vivemos um tipo de escravidão sutil, inconsciente. Uma submissão que me faz recordar de um outro “texto” pós-modernista: Matrix. Por um pouco de prazer consumista vendemos nosso ócio, e aceitamos alimentar o “moto-contínuo” do sistema. Mas às vezes “acordamos”, e não há nenhuma “nave” lá fora para voltarmos e combatermos. Não foi à toa que Durkheim foi feliz em apontar a relação entre a segunda-feira e as  estatísticas de suicídio. Pequenas formigas acordando e percebendo que queriam ser cigarras.


Máquina de costura doméstica é lançada.


        Um instrumento fundamental na indústria da moda é, sem dúvida a máquina de costura. Existem muitas marcas no mercado, boas e ruins, mas você sabe onde elas surgiram?
      Em 1755, um alemão chamado Wiesenthal patenteou uma agulha de ponta dupla - um avanço fundamental. Um francês, Barthélemy Thimonnier,  em 1829-1830 criou uma das primeiras máquinas de costura e em pouco tempo recebeu uma grande encomenda de  máquinas que seriam destinadas a  produção de uniformes para o exército. Começou ainda, a produzir máquinas de costura, porém sua fábrica foi destruída por hordas de alfaiates, que ganhavam a vida costurando à mão. Em 1846, um americano chamado Elias Howe patenteou uma máquina que era usada por um fabricante de carpetes lindrino.
      Um único modelo sobreviveu  a destruição e  então Thimmonier resolveu levá-la  de volta  a sua cidade  a pé. No caminho ele exibia a máquina  como  curiosidade e recebia alguns centavos em troca. Em 1845, o sucesso parecia estar de volta, quando recebeu de M. Magin  uma oferta  para  fabricar  seu  último  modelo  em série.
      Construídas inteiramente de  metal, as  máquinas  eram capazes  de dar  200 pontos por  minuto, e  tinham  grandes  possibilidades  de fazer sucesso, mas a  multidão interveio e novamente destruiu  tudo. 
      Isaac Merrit Singer, no ano de 1850, Singer conheceu, na oficina de Orson Phelps, uma máquina de costura. Ao analisar cuidadosamente o seu funcionamento, sugeriu modificações que revolucionaram sua fabricação. Em onze dias, estava pronta a primeira máquina de costura realmente eficiente. Singer solicitou uma patente em 1851 e continuou a melhorar sua máquina até sua morte, em 1875, aos 63 anos. 
         Em 1851, Singer fundou a companhia Singer, que inicialmente enfrentou sérios problemas para introduzir seu produto, pois o público não acreditava que a máquina funcionava corretamente. Mas, aos poucos, o produto foi ganhando credibilidade. Isaac Merrit Singer, mecânico de Nova York, obtem em 12 de agosto de 1851, uma patente para a primeira máquina de costura de uso doméstico. Ele conquistaria o primeiro prêmio na Exposição Universal de Paris de 1855. A generalização da máquina de costura transformaria até o modo de se vestir tornando possível a supremacia do ‘prêt-à-porter’ em detrimento do ‘sob medida’. 

         Em 1850, Singer criou uma máquina eficaz e prática, acionada por um pedal e com uma agulha que se movia para cima e para baixo, em vez de correr para um lado e para o outro. Mas ele logo se viu envolvido em processos judiciais por quebra de patente movidos por Elias Howe e outros inventores. A "guerra da máquina de costura" chegou ao fim em 1856,. e Singer, um homem de negócios implacável, se estabeleceu de forma dominante e lucrativa. Singer também teve uma vida amorosa complicada, Supõe-se que ele tinha sido pai de 28 crianças. Quando morreu em 1875, seu patrimônio era de mais de 13 milhões de dólares. Sua companhia produziria as primeiras máquinas de costura elétricas em 1889.  
          Hoje, o nome Singer é praticamente sinônimo de máquinas de costura, porém houve outros pioneiros na área antes de Isaac Singer criar a primeira máquina funcional que as pessoas podiam comprar para suas próprias casas. 

“Depois do arado, esta máquina de costura é talvez o instrumento mais abençoado da humanidade.” (Lois Antoine Godey, 1856)”


“Ela é uma das poucas coisas úteis já inventadas. (Mahatma Gandhi, líder hindu, quando na prisão aprendeu a costurar em uma máquina SINGER)”


    Veja algumas das primeiras máquinas feitam em escala industrial:





Veja como é o feito o ponto na máquina de costura reta simples:
 
Espero que tenham gostado, e até a próxima! Fonte: 1001 dias que abalaram o mundo

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Oscar Wilde é declarado culpado.


         Em 25 de Maio de 1895, o tribunal criminal de Londres estava lotado e calorento. O célebre dramaturgo Oscar Wilde foi alvo de diversas acusações de atentados graves ao pudor e interesse do público no julgamento era intenso. O júri se retirou as 15:30 para deliberar sobre a prova. Duas horas depois, o primeiro dos sete veredictos de "culpado" foi pronunciado. O juíz Wills declarou que aquele foi o pior caso já julgado por ele e que Wilde estivera "no centro de um círculo de corrupção juvenil do pior tipo". Após decidir não repreendê-lo pelos malefícios de sua conduta, pois "os que fazem tais coisas não devem ter qualquer senso de vergonha", Wills sentenciou Wilde à pena máxima de dois anos de trabalhos forçados.
         A queda de Wilde foi violenta. Ele alcançara seu maior triunfo em Fevereiro daquele mesmo ano com a primeira montagem de sua obra-prima, A importância de ser prudente, porém a peça mais espirituosa e vibrante da língua inglesa foi escrita durante uma crise pessoal. O pai de seu amante ameaçava denunciá-lo publicamente como homossexual e, a contragosto, Wilde foi convencido a processá-lo por difamação. Ele perdeu o caso, sendo preso em seguida por "crime de homossexualismo". Seu sofrimento gerou mais obras-primas: seu melhor poema, A balada do cárcere de Reading, e a extraordinária carta confessional De profundis. Àquela altura, no entanto, sua saúde estava em declínio e ele morreu em 1900, aos 46 anos.


Fonte: 1001 dias que abalaram o mundo