segunda-feira, 22 de abril de 2013

Brasileiro cria tecido antibacteriano.



      É um tecido feito para impedir a proliferação de bactérias, tornar mais confiável o ambiente hospitalar e ainda ajudar a natureza. A roupa criada com o objetivo de proteger a saúde — pensada especialmente para uniformes de médicos e enfermeiros, além de roupas de cama de hospitais — é obra do brasileiro Lucas Bernardes Naves, 25 anos, formado em design de moda pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) e mestre em design têxtil pela Universidade de Beira Interior, em Covilhã, Portugal. Vivendo atualmente entre Portugal, Espanha e Holanda e envolvido em projetos na área de tecidos inteligentes, o designer explica que o objetivo de seu trabalho é oferecer um substituto para a tradicional fibra de algodão, mais suscetível ao ataque de fungos e bactérias, e, assim, diminuir casos de contaminação em hospitais. O resultado da pesquisa, diz, trará mais bem-estar e segurança para os pacientes.






A malha foi criada a partir do chitosa, um agente antimicobiano encontrado no exoesqueleto de crustáceos. O  produto, 100% natural e renovável, é aplicado sobre a fibra de  cânhamo, já usada na confecção de vestimentas. Foram investigados outros agentes, mas nenhum mostrou-se mais  eficiente. "(Com o chitosan), tivemos uma atividade antimicrobiana de 99,98%. E ele se mostrou muito eficiente  contra a bactéria Staphylococcus aureus, uma das mais encontradas nos hospitais e que pode causar muitas doenças", acrescenta Naves.





Nenhum comentário: